domingo, 17 de junho de 2018

Pedrógão

Um ano depois, continuo a questionar-me como foi possível este Horror. Pobre país este que deixa entregue à sua sorte as suas gentes, em particular, as mais vulneráveis. Infelizmente, Portugal continua a ser Lisboa. O resto, é paisagem.

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Sufocar a alma

Se há pessoas pelas quais não tenho a menor consideração são as bajuladoras. Não as suporto. São pessoas muito poucochinhas. Sufocam-me a alma.

domingo, 10 de junho de 2018

Mudam-se os Tempos, Mudam-se as Vontades

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança:
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança:
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem (se algum houve) as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
Que já coberto foi de neve fria,
E em mim converte em choro o doce canto.

E afora este mudar-se cada dia,
Outra mudança faz de mor espanto,
Que não se muda já como soía.

Luís Vaz de Camões

sábado, 9 de junho de 2018

No Me Encontraron


[Qué bonito! Lorca siempre vivo!]

Tuliparia


quarta-feira, 6 de junho de 2018

Nostalgia

Tenho saudades do tempo em que não havia internet, nem e-mails nem a partilha de documentos na porra da OneDrive do Office. 

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Desabafo de professor(a)

Chega-se a esta altura do ano (letivo), uma pessoa começa a fazer revisões da matéria dada para as Fichas de Avaliação Sumativa e a pergunta que se (nos) coloca é sempre a mesma: "Mas que raio, andei a falar prás paredes o ano todo?" Não é fácil ser professor(a).